Boa Sorte (2014)

Filmes- Boa Sorte (2014))
Longa baseado no conto de Jorge Furtado, Frontal com Fanta

É perceptível que o cinema se tornou uma mídia de investimento garantido quando estréia mais uma produção global recheada de seu grande elenco, mas que nem sempre garante o conteúdo relevante pra quem realmente gosta da sétima arte. No caso do filme de Carolina, filha de Arnaldo Jabor, há algo diferente, mesmo levando em conta o histórico em séries de TV e o apelo publicitário que vai desde twitter de Luciano Huck à divulgação pela própria produtora e protagonista Deborah Secco em programas de auditório. O texto “Frontal com Fanta”, do qual foi escrito e adaptado pelo cineasta gaúcho Jorge Furtado, evidencia que nem todos os atributos de sucesso de bilheteria são levados em consideração ao trabalhar temas mais intimistas por meio de complexos indivíduos e uma forma peculiar de contemplar o amor.
Grande parte da história se passa dentro de uma clinica de reabilitação para jovens dependentes químicos quando um garoto paciente, descobridor da formula da invisibilidade na base dos comprimidos ansiolíticos de sua mãe, se apaixona por uma bela mulher cujo corpo aos poucos padece com o apoio de sua mente perturbada. Ela conduz o ritmo alucinante da trama principalmente pela atuação admirável de Deborah. Apesar disso, os conflitos mais significativos ficam por conta de seu par, o estreante João Pedro Zappa e seu tímido e sonhador João. Além da grande dupla, também há a valiosa participação de Kassia Kis, Fernanda Montenegro, Felipe Camargo, Gisele Fróes e Pablo Sanábio, responsável por momentos de diversão no meio de tanta angustia.
O roteiro é o ingrediente importante pelos diálogos elaborados e a construção a partir do revezamento de sequências entre o doente passado do casal, animações de um diário revelador e o momento presente de uma delicada relação aprisionada num casarão antiquado caindo aos pedaços. O ambiente chega ser tão desértico que até faz pensar ser fruto da imaginação ao se opor à idéia de uma instituição padrão, particularmente pela sensação de abandono de seus hospedes.
De tanta coisa abordada pelo longa, existem alguns pontos interessantes num momento que retrata a transição para maturidade de João. Apesar de não haver grandes evidências de sua contemporaneidade, uma pequena cena aborda o estado de saúde da sociedade atual ao questionar o numero farmácias disponíveis e a quantidade exagerada de remédios consumidos. Talvez seja consequência de uma estrutura familiar degradante muito bem representada, bem como o exemplo da falta de coragem das pessoas em encarar seus problemas, até mesmo no simples ato de dar atenção uma à outra. Vem daí o evento lúdico de se tornar invisível aos olhos de quem não quer ver, até surgir à oportunidade para desenvolver o amor por outro alguém que de fato está ao seu lado. Em contrapartida, a outra pessoa se lamenta por continuar sua destruição, já que também não foi amada consideravelmente. Apesar da agressão doméstica em ambos os lados, é um bom exemplo (e nacional) pela autopreservação da espécie como solução, mesmo que resulte apenas na metade dele.

  • Título original:   Boa Sorte
  • Diretor:   Carolina Jabor
  • País:   Brasil
  • Categoria:   Drama
  • Ano:   2014
  • Atores:   Luisa Arraes, Edmilson Barros, Fabrício Belsoff, Felipe Camargo, Isabella Camero, Yasmin Catramby, Gisele Fróes, Cássia Kis Magro, Fernanda Montenegro, Pablo Sanábio, Juliana Schalch, Deborah Secco, Amanda Veras, João Pedro Zappa
  • Avaliação:   7,0

Sinopse:   João (João Pedro Zappa) é um adolescente de 17 anos que se sente invisível. Judite (Deborah Secco) é uma mulher de 30 anos que já experimentou de tudo. Ela não tem muito tempo de vida e os dois sabem disso. Em uma clínica de reabilitação, eles vivem um amor intenso e transformador.

Escreva suas opiniões sobre o texto

Compartilhe